Guia prático para especificação de polias sincronizadas

Para especificar corretamente as polias sincronizadoras, o primeiro passo é levantar todas as informações do sistema de transmissão: potência do motor (kW), rotação do motor (RPM) e Fato de Serviço (FS) (*)

 

(*) - Fator de Serviço (FS) é um coeficiente de segurança determinado em função das características do motor e do regime de funcionamento do equipamento. Este fator pode ser encontrado em tabelas específicas.

 

De posse dessas informações, devemos utilizar o gráfico abaixo para selação do passo da polia/correia:

tabela seleção de passo.png

GRÁFICO PARA SELEÇÃO DO PASSO DA POLIA/CORREIA

 

 

OBS: 1 kW = 1,36 CV

Supondo que a rotação do motor seja 1000 RPM, a potência do motor seja 6,5 kW, e o fator de serviço seja 1,5:

 

A potência a ser considerada no gráfico será: Potência = Potência do motor x Fator de Serviço.

 

Neste caso, a potência será 6,5 x 1,5 = 9,75 kW

 

1) Localizar no eixo X a rotação de 1000 RPM e traçar uma linha paralela ao eixo Y

2) Localizar no eixo Y a potência de 9,75 kW e traçar uma linha paralela ao eixo X

 

tabela seleção de passo - 2.png

Devemos observar as curvas dos passos que estão acima do ponto de interscção entre as curvas paralelas aos eixos X e Y.

 

No exemplo prático, as curvas dos passos que estão acima do ponto de intersecção são: XH, T20, AT20, RPP14

 

 

Cálculo da relação de velocidades (relação de transmissão):

 

A relação de velocidades é a relação entre a rotação do eixo motor e o eixo movido:

 

 

relação transmissão.png

Supondo que o eixo motor tenha a rotação de 1000 RPM e o eixo movido 500 RPM:

Relação de transmissão = 1000/500 = 1:2

 

Essa relação 1:2 entre as rotações dos eixos motor/movido é a mesma relação entre os diâmetros das polias motora/movida.

 

Sendo assim, se a polia motora tem 100 mm, então a polia movida terá 200 mm.

 

Observação sobre a determinação do diâmetro mínimo das polias:

O diâmetro mínimo recomendável das polias não deve ser inferior ao menor diâmetro disponível nos catálogos. 

A utilização de polias com diâmetros inferiores aos diamentros mínimos dos catálogos pode reduzir a vida útil das correias devido ao efeito da flexão.

 

Cálculo do comprimento primitivo da correia CP:

 

Para seleção do comprimento primitivo da correia precisamos das seguintes informações:

1) diametro da polia motora [mm]

2) diametro da polia movida [mm]

3) distância entre centros [mm]

distancia centros polias.png
equação CP.png

Cálculo da largura da correia:

 

Para calcular a largura da correia é necessário conhecer a Força (F) incidente sobre a correia:

 

equação F.png
tabela seleção de largura de correia.png

GRÁFICO PARA SELEÇÃO DA LARGURA DA CORREIA

 

Supondo que o cliente optou pela seleção do passo T20 e que a força aplicada sobre a correia seja 4500 N:

 

1) Localizar no eixo X a força de 4500 N e traçar uma linha paralela ao eixo Y até encontrar a curva do passo T20

2) Localizar no eixo Y a largura correspondente

tabela seleção de largura de correia - 2.png

Observação sobre a largura máximas das correias:

A largura da correia não deve ser maior do que o diametro da polia, pois se isso ocontecer poderá haver um movimento lateral exessivo, que dependendo da velocidade, poderá reduzir a vida útil da correia.

 

 

Nossa equipe está à disposição para auxiliar os clientes no cálculo e na especificação do sistema de transmissão mais adequado para cada aplicação.